terça-feira, 15 de setembro de 2009

A sustentabilidade e a Copa de 2014

Tentar escrever sobre sustentabilidade esportiva é, antes de tudo, arrumar uma baita sarna para se coçar. Para que um texto sobre o assunto fique completo, não é possível deixar de mencionar a função social do esporte, o impacto dos eventos no meio ambiente, a sua cadeia produtiva, a sua atuação como potencial difusor de conceitos de sustentabilidade etc etc etc.

Para não perder o fio da meada, vou tratar de um assunto bem específico: a Copa do Mundo de 2014. Mais do que não sei quantas seleções disputando um título em estádios lotados de pessoas alegres, a Copa é uma indústria que movimenta bilhões de dólares, atua em diversos setores da economia e gera muitos empregos. Muitos mesmo. Para 30 dias de celebração mundial, ela requer anos de preparação e uma cadeia produtiva altamente impactante para o meio ambiente.

A Copa do Brasil já está sendo chamada de a “Copa Limpa” ou a “Copa Sustentável”. No entanto, para que ela realmente se concretize, precisamos resolver dois pontos nevrálgicos: transportes e construção civil. Quem mora nas maiores cidades do país sofre com a precariedade dos transportes públicos, sendo praticamente obrigado a utilizar veículos particulares para a mobilidade diária.

Pelo lado da construção civil, por mais que já se discuta amplamente a sustentabilidade no setor, não há como negar o brutal impacto da atividade no meio ambiente. Sem contar que para a Copa haverá a necessidade urgente de construção e reforma no setor hoteleiro e a modernização dos estádios já existentes, assim como a construção de outros estádios.

Além de atacar problemas no setor de transportes e construção, precisamos resolver problemas mais básicos do que esses. É preciso preparar toda a infra-estrutura, como a criação de uma matriz energética que seja pouco impactante, como a energia solar. É preciso construir mecanismos que possibilitem a captação da água de outras fontes, como a da chuva. É preciso, mais ainda, ter em mente que obras desse tipo são longas, caras e que podem ser comprometidas por questões políticas, principalmente em anos eleitorais.

Um documento muito interessante de se ler é o “Green Goal Legacy Report”, que é um reporte dos impactos ambientais ocorridos na Copa da Alemanha, quando o meio ambiente entrou no programa do evento pela primeira vez. A premissa, ou o “green goal” era que todos os efeitos adversos no meio ambiente associados à organização da Copa do Mundo deveriam ser reduzidos ao máximo possível.

Uma série de metas foi estabelecida nos pontos mais importantes, principalmente transporte, consumo de água e energia e mudanças climáticas. O Green Goal Legacy Report se focou, basicamente, nos impactos gerados no evento, como a redução de consumo de água nos estádios, por exemplo. No entanto, sabemos que uma torneira aberta por um turista no banheiro do seu quarto do hotel também é um impacto causado pela Copa naquela região.

E é justamente essa questão que pode fazer a grande diferença entre o que foi a Copa de 2006 e o que pode ser a Copa de 2014: o alcance da sustentabilidade. Ao contrário da Alemanha, o Brasil engatinha em infra-estrutura e desenvolvimento sustentável. Mesmo com todos os percalços políticos que obras de grande porte geram, temos uma grande chance de já começar fazendo o que é certo.

E independente dessas questões, precisamos, a sociedade como um todo, focar nos ganhos que uma Copa do Mundo proporciona ao país. E aí não falo somente no legado das construções, no legado para o turismo, nas benfeitorias de infra-estrutura, ou na melhoria na mobilidade urbana. Falo do legado de conhecimento, de know-how e de mudança de postura, tanto dos cidadãos quanto das empresas, estejam elas envolvidas com a Copa ou não.

5 comentários:

charlesnisz disse...

Oi
Durante o trainee da Folha, eu conversava com o @msoares sobre uma maneira de fiscalizar as obras da Copa de modo eficiente.

A discussão é anterior: não há sustentabilidade sequer na gestão dos recursos, quanto mais na infra-estrutura de transportes e energia dos estádios e hotéis

Julianna Antunes disse...

Pois é, por isso citei a questão da política como um fator que pode atrapalhar.

Dri Viaro disse...

oi, passei pra conhecer seu blog, e desejar bom dia
bjsss

aguardo sua visita :)

Paulo disse...

Excelente artigo!
Abordou um tema que eu queria ver há algum tempo, assim que eu tiver um tempo irei assistir ao documentário "Green Goal Legacy Report".

bjos

Paulo

Marlon disse...

Li seu artigo "Por que as instituições sociais têm tanta dificuldade em captar recursos das empresas?" no site GamaCoopera e achei excelente o artigo e vi o seu link no site, gostaria de contribuir com a minha opinião sobre este tema.
O mais importante será além das obras de infraestrutura(geralmente superfaturadas), uma mudança no perfil da sociedade como a que ocorreu em Barcelona (1992).
Hoje a Espanha tem como uma das maiores industrias, a do Turismo, que o Rio e em geral o Brasil tenha essa visão, aliar a infraestrutura a mudança de postura como você bem definiu..

Parabéns pelos artigos

Marlon Silva