segunda-feira, 7 de junho de 2010

Falando de sustentabilidade para leigos

Apesar de ser o termo da moda, ser assunto de programas de televisão, estar na pauta dos jornais e revistas e as empresas divulgarem seus projetos aos quatro cantos, nem todo mundo sabe exatamente o que significa sustentabilidade. Ou melhor, a maioria não sabe o que ela significa. E isso acontece até mesmo dentro das organizações que dizem trabalhar com sustentabilidade!

A primeira questão a ser esclarecida, e, inclusive, é a que mais me incomoda, é que sustentabilidade não é sinônimo de meio ambiente. Particularmente não sei o porquê das pessoas confundirem. Talvez tenha sido culpa da mídia, que sempre deixou essa dúvida no ar. É claro que a sustentabilidade tem pegada forte de meio ambiente, afinal, o mundo está esquentando, espécies animais e vegetais estão sendo dizimadas e estamos acompanhando de camarote a destruição do planeta. Mas ela é mais do que isso.

Já ouvi muita gente falando absurdos como sustentabilidade ambiental e/ou sustentabilidade social. Acredito (e espero) que tenham falado por mera ignorância do assunto. A sustentabilidade é um conceito que só é praticado se social, ambiental e financeiro estiverem bem fundamentados. Dentro das empresas, mais do que utilizar jargões inapropriadamente, vejo que há muita falta de entendimento. A começar por separar o que é responsabilidade social e ambiental do que é sustentabilidade.

Hoje mesmo recebi um google alert sobre uma palestra de sustentabilidade corporativa que será ministrada por uma diretora de meio ambiente. Não questiono a capacidade da palestrante (e pode ser que eu me engane), mas se o campo de trabalho dela é o que diz o seu cargo e ela falar sobre o que trabalha, a palestra será incompleta. Ou melhor, a palestra não será sobre sustentabilidade corporativa, mas sobre gestão ambiental das empresas.

Por ver discrepâncias como essas que, vira e mexe, me pergunto: o que as pessoas efetivamente entendem por sustentabilidade corporativa? Dentro das empresas, a parte de meio ambiente tem nome: responsabilidade ambiental, SHE (safety, health & environment - segurança, saúde e meio ambiente), gestão ambiental etc. A parte social também tem nome: responsabilidade social, fundação, instituto, gestão social etc. A diferença entre isso e sustentabilidade não está só na nomenclatura, mas no escopo de trabalho.

Responsabilidade social e responsabilidade ambiental trabalham muito mais voltadas para atender demandas inerentes ao negócio. Se uma empresa atua em segmento altamente impactante para o meio ambiente ou para comunidades do entorno, é óbvio que deve ter projetos específicos para mitigação. Se ela resolveu criar projetos de educação no país, mesmo que o seu foco seja outro, foi para atender demandas de stakeholders.

Sustentabilidade dentro das empresas é estratégia, não operação. Já cansei de escrever que ela só existe quando integrada aos processos de negócio. Se os processos não forem sustentáveis, mesmo que a empresa tenha RSA forte, com bastante investimento, ela não é sustentável. Sustentabilidade não é projeto social ou projeto ambiental. Ela conversa com o marketing, com finanças, com RH, com supply, com R&D, com TI, com comunicação interna, com relações governamentais. Ela estende o conceito aos fornecedores e a toda sua cadeia de valor.

Falando em valor, a sustentabilidade mexe profundamente com valores. Primeiro na esfera corporativa. A forma de a empresa enxergar o negócio muda. Os objetivos dela passam a ser outros, além do lucro, é claro. E num segundo momento acontece a principal mudança, que é de pessoas. Nós, como funcionários, vamos nos conscientizando de outros valores que acabarão sendo levados para nossa rotina fora da empresa. Seja repensando a forma de consumir, de utilizar (e reutilizar) as coisas, as formas de se relacionar com as outras pessoas ou mesmo de encarar as necessidades do mundo atual.

Não deixe de participar do debate que solução sustentável você tem ou você quer para a sua cidade? Participe e concorra a um kit Conhecer para Sustentar oferecido pela Fundação Bunge!

7 comentários:

ViviGGarcia disse...

pois é...eu também acho bem estranhas essas definições de "sustentabilidade social" e "sustentabilidade ambiental", exatamente pelas razões que você colocou...e te digo que já ouvi isso de pessoas que estão longe de serem leigas no assunto. Quando se trata do assunto ligado ao mundo corporativo, gosto da definição que vi em um curso da FGV: eles colocam que sustentabilidade é o conceito de desenvolvimento sustentável, quando aplicado nas empresas. Aliás, se utilizássemos mais o termo "desenvolvimento sustentável", acredito que teríamos menos dificuldades e confusões...para mim, o termo sustentabilidade traz uma idéia "estática", encaixotada...o desenvolvimento me remete a continuidade...

Millor Machado disse...

Julianna,

Muito bacana o artigo! Desmistificou bem alguns conceitos que normalmente o pessoal confunde. Sustentabilidade definitivamente não é só sobre meio ambiente.

Muito legal a menção ao tripé que representa a sustentabilidade.

Abraços!

Julianna Antunes disse...

Vivi, concordo que seria bem mais fácil. Hoje o termo desenvolvimento sustentável está mais ligado á questão de território, desenvolvimento local. Mas também gosto muito de sustentabilidade corporativa. Afinal o que seria do blog, pelo menos no nome, se ela não existisse? hehehe

_ppknasc disse...

Muito bom seus artigos ^^
me instigou voltar a ler. Ganhou mais um jovem fã. Me interessou muito o tema 'SUSTENTABILIDADE'. Parabêns!

José Luiz de Campos Castejón Branco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
José Luiz de Campos Castejón Branco disse...

Convido você a visitar o meu blog: 'ACONSELHAMENTO e SUSTENTABILIDADE PSICOLÓGICA', no seguinte endereço: www.clinica-on-line.blogspot.com
Desde que a psicologia 'deu o ar de sua graça', ela pensa nisso, portanto, sustentabilidade é apenas uma nova denominação, entre outras. Mas, eu sei, esta 'pegou' e está na moda. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), a depressão será a segunda causa de afastamento no trabalho em 2020. Isto já afeta e afetará cada vez mais as pessoas que possuem este transtorno afetivo e, sem dúvida, as empresas. Pena que pouca gente se importa com isso, especialmente os mais 'interessados', ou seja, as próprias empresas. Ainda não sacaram o alcance das ações interdisciplinares integradas, se é que compreendem o que isto significa! Um abraço e apareça no meu blog! José Luiz - psicólogo e docente de psicologia

26 de fevereiro de 2011 14:07

Ricardo Soares disse...

Agora já sei o que não é Sustentabilidade. Pena que não foi esclarecido o que realmente é. Vou continuar pesquisando...