quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A década perdida da sustentabilidade corporativa

Ok, não vou negar que muita coisa foi feita e que, sim, houve evolução nos últimos dez anos no quesito sustentabilidade corporativa. Mas também não vou negar que o resultado é infinitamente aquém da expectativa que se tinha a partir do que vinha sendo discutido e proposto nos anos 90 para os 10, 15 anos seguintes.

Não estou falando do esvaziamento da área ocasionado pela crise mundial que assola o mundo desde 2008. Falo das expectativas criadas para a década de 2000 e que simplesmente não se concretizaram. Não se concretizaram em muito por conta da ilusão do dinheiro fácil criada por bancos de investimento que fizeram roleta russa com alguns dos principais mercados econômicos do mundo (Ok, esses mercados também tiveram sua parcela de culpa).

Mas façamos uma análise crítica da sustentabilidade dentro das empresas nos últimos 15 anos. Relativa eficiência operacional proporcionada por fatores sociais e ambientais dentro de um mesmo contexto de gestão empresarial, muita comunicação para a sustentabilidade e GRI. Basicamente. Aliás, nunca antes da história desse planeta viu-se um engajamento tão forte como o comprometimento das empresas em ter um relatório de sustentabilidade para chamar de seu.

Peguemos os relatórios. Ao questionar sobre quando seriam cobrados indicadores de sustentabilidade atrelados ao negócio, a resposta que tive de gente ligada à GRI foi que era uma iniciativa que deveria partir das empresas. Essa resposta me fora dada há menos de um mês. Pergunto: há quanto tempo existe a GRI? Resposta: 16 anos. Convenhamos que se em 16 anos as empresas não tomaram essa iniciativa, enquanto não forem cobradas, vai tudo continuar do jeito que está.

Os anos 2000 foram um boom de comunicação da sustentabilidade. Ok, faz parte do processo de amadurecimento. Pergunto a vocês: das principais empresas brasileiras ou que atuam no Brasil, quantas delegam, hoje, a sustentabilidade à área de comunicação ou assuntos corporativos? Posso fazer uma lista praticamente infinita.

Analisemos: qual o propósito da área de comunicação das empresas? Para não me equivocar, busquei na internet várias definições para o setor e para resumir as que encontrei, digo que o objetivo da comunicação corporativa é cuidar da reputação da empresa de forma a obter apoio e influenciar a opinião e comportamento junto às partes interessadas. Ou seja, reputação e imagem junto aos stakeholders.

Absolutamente nada contra esse propósito de comunicação. Mas o assunto aqui é outro. E aí pergunto: qual o papel da sustentabilidade quando ela responde para a área de comunicação? Reputação e imagem. E qual o verdadeiro potencial da sustentabilidade? Engenharia, processos, finanças, inteligência competitiva, novos mercados, inovação, novas fontes de renda, redução de custo e risco etc etc etc. Ah, reputação e imagem também. Também.

Há anos vem se falando das externalidades. O que significa em termos de negócio, em termos de risco, uma Unilever da vida dizer no relatório de sustentabilidade que gasta x litros de água por ano em seus processos produtivos (sabendo a água é um bem escasso e que não se paga pelo seu consumo)? O que significa para uma Vale reportar a supressão vegetal de x km² para botar em operação uma unidade produtiva (e com isso dizimar fauna e flora de uma região)? Alguém tem essa resposta hoje? Porque isso já se discute há mais de 20 anos!

Tentou-se na década passada estabelecer um mercado de crédito de carbono. Não deu certo.  Mas acreditem em mim, vão ter de fazer dar certo. Se a produção industrial continuar (ainda que em crise) como está, em 2030 a temperatura aumentará 2 graus. Ninguém sabe, de fato, o que isso significa tanto em termos sociais/ambientais, quanto econômicos e empresariais.

Numa época em que se procura viabilidade financeira para as energias renováveis, os EUA colocam na exploração do gás de xisto (mais sujo que o petróleo) a esperança para a retomada da sua economia. O carro elétrico chega ao mercado com o status de salvador da pátria, sendo que desde meados dos anos 90 tem-se o protótipo de carro com a mesma segurança e desempenho, mas com a metade do peso dos carros atuais e mais do que o triplo de eficiência de combustível. E pior, o carro elétrico chega quando o modelo de mobilidade individual mostra-se falido e INVIÁVEL às grandes cidades.

A questão é que por mais que na teoria a sustentabilidade corporativa seja linda, ela não passará de promessa enquanto não se mudar o modelo mental das pessoas e o modelo de gestão das empresas. E não, o que a maioria das empresas (dizem que) fazem está longe de ser sustentabilidade. Pode ser relacionamento institucional, compensação ambiental, governança corporativa, legitimação social, marketing de causa/social/sustentável, licença para operar, mas muito pouco está sendo feito de sustentabilidade, apesar de há muitos anos existir a discussão e o conhecimento.

2 comentários:

Letícia Klein disse...

É preciso que a sustentabilidade seja internalizada pelas pessoas, que elas entendam a importância de ser sustentável por ser sustentável, e não porque vão ter mais retorno financeiro, vão economizar, vão melhorar sua imagem. Para isso é necessário repensar nossas ações, nossos padrões de consumo e produção, o jeito como vivemos na sociedade e o impacto que causamos. Ser sustentável não é um meio para um fim, é a finalidade em si, é um estilo de vida. E não é mais opção, é necessidade.
Ótimo texto, Juliana!!
=)

REFRESH BRAZIL - Ducha de Praia disse...

Cara Juliana, perfeitas as suas colocações! Compartilho de todas. Os discursos do mercado(dirigentes de empresas e até de alguns consultores e "experts") tem de ter um fim! Chega de chover no molhado, repetir o que todo mundo sente e já sabe, chega de blá, blá, blá....temos de partir para a prática urgente. O tempo passa...e o desequilibrio está cada vez maior! Vejo a definição de Sustentabilidade, como Equilibrio. Portanto, o Desiquilibrio é a Insustentabilidade! Acho que sei o "por quê" que muitos relatos de cientistas e pesquisadores, como, por ex. o Relatório Brundland nao é amplamente divulgado! Porque é a verdade! Ele mexeria mais com as atitudes das pessoas para o lado e ações sustentáveis. Ah! sobre o Crédito de Carbono, tentei anos atrás me informar para um amigo. Deparei-me com a burrocracia, as exigencias, a demora nas respostas e outras tantas coisas mais, que fizeram meu amigo e eu desistir! No momento estou lançando algo muito mais viável, prático, rápido, sem burocracia e ainda comn beneficios para todos: o CRÉDITO DE ÁGUA, uma forma de Compensação Ambiental. Caso haja interesse em maiores detalhes, vamos em frente! Abs, armandofantini@refresbrazil.com