terça-feira, 19 de novembro de 2013

Do lixo à cidadania: o protagonismo dos catadores diante da PNRS

Para quem não sabe, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) está batendo na nossa porta. Aprovada em 2010, muitos dos itens da lei, obrigatoriamente, devem entrar em vigor a partir de 2014. E 2014 está logo ali. O item mais complexo, em minha opinião, é o fim dos lixões. Muitas cidades, como Brasília, por exemplo, já disse com antecedência que não conseguirá acabar com os lixões nem em 2014 e nem nos próximos anos.

E aí que quando falamos de PNRS, além da questão dos lixões, muitos assuntos transversais vêm à tona, como logística reversa e reciclagem. Entrando no detalhe da reciclagem, no Brasil e em vários outros países, acontece um comportamento típico de regiões muito desiguais, que é a presença do catador de material reciclável.

Com baixíssima qualificação, pouco ou nenhum estudo, zero de autoestima, na maioria das vezes à margem da sociedade, eis que esse personagem, o catador, de uma hora para outra está virando protagonista de um cenário que pode (e deve) mudar a nossa relação com o consumo e a nossa relação com o ambiente. Sem contar, ainda, que vai mudar a forma como as empresas lidam com seus processos produtivos.

Mesmo sendo um dos protagonistas da PNRS, sabemos o quão complexo é organizar um grupo de catadores com os mesmos interesses e transformá-los em responsáveis pela gestão de um negócio. No alto de seus oito anos de experiência, o Instituto de Projetos e Pesquisas Socioambientais (IPESA) desenvolveu uma metodologia de trabalho que foca não somente no aspecto técnico, mas também humano do catador, fazendo um resgate da autoestima dessas pessoas que, quase sempre, são invisíveis para a sociedade.

E para coroar esse conhecimento, o IPESA, o lançou esse ano, em parceria com a Editora Peirópolis e apoio do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis (MNCR) o livro “Do lixo à cidadania: guia para formação de cooperativas de materiais recicláveis”. Para ser possível, a obra teve o patrocínio da Natura e da Ambev.

O livro, destinado a gestores municipais, ONG’s, associações, incubadoras, universidades, pesquisadores, empreendedores sociais, empresários e entidades apoiadoras, além das próprias organizações de catadores, mostra alternativas sobre como lidar com o lixo de maneira organizada e sustentável.

O livro está sendo enviado gratuitamente para os mais 5.500 municípios brasileiros com o intuito de despertar no poder público, em conjunto com organizações sociais e população o desenvolvimento de sistemas de coleta seletiva e inclusão social dos catadores. Além da versão impressa, há a versão eletrônica do livro, que pode ser baixada junto com outros conteúdos no site http://www.dolixoacidadania.org.br.


É uma leitura super simples e super didática, o que facilita a replicação do conhecimento. E  mesmo para quem não tem interesse específico na PNRS ou cooperativas ou relacionamento com comunidades, ela é válida tanto pelo aprendizado, quanto pelo desenho da metodologia (que pode ser utilizado em outras situações) e pela forma como os indicadores de sustentabilidade são tratados. Para quem trabalha com planejamento, é uma delícia ler esse livro!

2 comentários:

Letícia Klein disse...

Muito bacana essa iniciativa! A questão do lixo é de extrema importância e políticas de reciclagem e destino adequado são fundamentais. Durante a semana do meio ambiente na minha cidade eu acompanhei o roteiro dos resíduos e fiz um post no meu blog sobre isso: http://sustentaacoes.blogspot.com.br/2013/06/para-onde-vai-o-lixo-que-jogamos-fora.html.
Abraço!

ZumBi-Polar disse...

Muita legal seu blog. Veja esta reportagem sobre sustentabilidade e arquitetura http://viverembrasilia.com.br/sustentabilidade-2/ . Se estiver interessado em parceria entre em contato, estamos interessados.