segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Quem é o profissional sustentável dentro das empresas?

Lendo um livro sobre planejamento estratégico nesse final de ano, me deparei com uma questão bastante interessante, que, se pesarmos profundamente, traz embutido o conceito de sustentabilidade e é um grande dilema para as empresas, principalmente em tempos de apagão de talentos. O que nos transforma em um profissional sustentável?

A pergunta não diz respeito a comportamentos de sustentabilidade ou conhecimentos técnicos e generalistas que um profissional deve ter para se trabalhar na área de sustentabilidade. Inclusive já escrevi sobre o perfil do profissional de sustentabilidade que aos que ainda não leram, podem conferir aqui.

Quando falo do profissional sustentável, falo do profissional de qualquer área, de qualquer negócio que é fundamental não porque é o primeiro a chegar e o último a sair, mas porque gera retorno para a empresa, seja ele financeiro ou não. É a velha questão do profissional eficiente x profissional eficaz. Inclusive, do ponto de vista da sustentabilidade, é o profissional que gera muito mais resultados qualitativos do que quantitativos.

Vou dar o exemplo da área de suprimentos, essa danada que está em constante atrito com o resto do mundo. Para as empresas, geralmente, um bom comprador é aquele que consegue reduzir custos e consegue os melhores preços ou melhores condições de pagamentos. Vejamos: é muito comum que ao fazer determinada compra se abra concorrência que é, na maioria das vezes, vencida por aquela que apresentou o menor preço.

Será que ao abrir concorrência para serviço, o critério de escolha deve ser preço? Profissionais da área, não me matem, mas sempre brinco dizendo que o problema de suprimentos é que eles compram serviço com a mentalidade de quem compra caneta, onde tanto uma que custa um real, quanto uma que custa noventa centavos, cumprirão as mesmas funções.

Que tipo de problema uma má compra de serviços pode trazer a uma empresa? Para começar, o mais imediato de todos: dinheiro. O barato que sai caro. Uma consultoria que fez um planejamento estratégico equivocado, por exemplo. Dependendo do serviço, pode, até, paralisar uma produção. Um serviço ambiental ruim que pode ocasionar perda de licença ou a manutenção mal feita que vai deixar uma linha operacional parada por mais tempo que o previsto.

Outro exemplo: suponhamos que a meta para o pessoal de R&S em um ano seja preencher 200 vagas. Ao final do ano as vagas foram preenchidas e o pessoal garantiu o seu lindo bônus. Só que aí o que se vê com o passar do tempo é que esses profissionais não têm exatamente o perfil da empresa ou não dão resultado como se esperava ou então que o turnover está alto.

E aí eu pergunto: quanto de dinheiro uma empresa perde por não ter uma política de retenção ou por ter retrabalho com contratações feitas erradas? Quanto as áreas que demandaram esses funcionários perdem ou deixam de produzir porque não foram contratados bons profissionais?

Eu poderia dar aqui inúmeros exemplos do quanto profissionais eficientes, porém não eficazes, podem gerar impacto negativo em uma empresa. Mas para finalizar, termino dizendo que um profissional sustentável, além de eficiente, é fundamentalmente eficaz. Ele cumpre com suas obrigações e deveres, mas junto a isso gera retornos quantitativos e, principalmente, qualitativos para uma empresa.

3 comentários:

Luiz Antônio Gaulia. disse...

Juliana, o perfil do profissional sustentável, assim como o do comunicador para uma sociedade sustentável, no meu entender, deve ser o do "saber cuidar" (como já escreveu Leonardo Boff e antes dele Martin Heiddeger).
Ter o cuidado como pressuposto de nossas ações, intervenções e planos é fundamental.
Nosso "futuro comum" depende dessa percepção. Ótimo o seu blog! Feliz 2012!Abs, Gaulia

Larissa Evelyn disse...

Texto: Quem é o profissional sustentável dentro das empresas?
Matrícula: 5802249

Um tema muito polemico o que torna um profissional em sustentável ?
Isso diz respeito em um geral de uma pessoa que tem comportamento sustentável, conhecimento sustentável e para concluir resultado sustentável. Para ser sustentável deve-se ser eficiente e eficaz, ou seja, resultados de forma qualitativas e quantitativas, de forma lucrativa e eficiente.

Larissa Evelyn disse...

Texto: A importância da engenharia de produção na gestão da sustentabilidade corporativa
Matrícula: 5802249

Apesar da sustentabilidade é uma área que está conectada em todas as áreas de um empresa. De forma que ela esteja ligada na forma de planejamento, execução e controle, está pouco inclusa no mercado de trabalho atual. Existe um objetivo muito maior do que os resultados no fim quando se trata de sustentabilidade. Porém a engenharia de produção tem muito a contribuir com a sustentabilidade corporativa, mais não apenas ela, todas as áreas tem basta ter um conhecimento especifico em cada área relacionada.