segunda-feira, 7 de maio de 2018

Empreendedorismo social x empreendedorismo sustentável


Falar de empreendedorismo ou negócio social já não é algo estranho para o público médio. O tema é recorrente em publicações, na TV, nas universidades, nas redes sociais... já tem até curso sobre isso e até mesmo hackathons. Apesar de ser tema recorrente, não raro, as pessoas confundem empreendedorismo social e empreendedorismo sustentável. Acontece que, mesmo sendo temas bem interligados, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

Há alguns anos, quando o chamado empreendedorismo social começava a despontar, ele, sequer, tinha esse nome. Era chamado de setor dois e meio ou quatro setor. Inclusive, a quem interessar possa, tem um texto que escrevi sobre isso há quase sete anos. Segue o link: http://www.sustentabilidadecorporativa.com/2011/05/sustentabilidade-e-o-quarto-setor-ou-o.html.

Apesar de extrema importância, confesso que vejo muito nos dias de hoje uma glamourização, uma goumertização e uma modinha por negócios sociais. Afinal, é bonito, a gente ganha um quinhão no céu e ninguém tem coragem de chamar empreendedor social de opressor da massa trabalhadora. Enfim, não entrarei muito na questão filosófica que cerca os negócios sociais, mas o fato é que tem muita gente acha que isso é sustentabilidade. Não, não é. Ou melhor, não necessariamente.

Grosso modo, os negócios sociais são um setor onde as organizações possuem fins lucrativos, mas atuam voltadas para uma causa específica. É atuando nessa causa que entra o conceito de geração de valor, que o povo adora, mas frisando que gerar valor não é exclusivo de negócios sociais (mas isso é papo para outro post).

Por exemplo: uma organização voltada para alimentação saudável que trabalha no desenvolvimento de cooperativas de agricultura orgânica. Uma empresa que trabalha com produtos ou soluções voltadas para o empoderamento feminino. Uma empresa que ajuda a melhorar as habitações em regiões da periferia das cidades.

Para quem tem interesse em negócios sociais, um bom lugar para começar a se inteirar sobre o assunto é o Social Good Brasil, uma organização cujo propósito é disseminar e incentivar o uso das novas tecnologias e mídias sociais para enfrentar os grandes problemas mundiais.

Outro lugar bem bacana é o Yunus Negócios Sociais, que é a unidade brasileira da Yunus Social Business Global Initiative. A YNS tem como objetivo desenvolver negócios sociais pelo país através de seu fundo de investimentos e aceleradora para negócios sociais.

Mas Julianna, se isso não é empreendedorismo sustentável, é o que então? É negócio social, ué. Volte ao quinto parágrafo e leia novamente a definição.

Vamos lá, meu jovem, uma coisa que é legal saber: todo empreendimento social é, potencialmente, um empreendimento sustentável. Nem todo empreendimento sustentável é um empreendimento social.
Quando falamos de empreendedorismo sustentável, não estamos falando das causas que motivam as empresas a surgirem, nem dos problemas socioambientais que elas querem resolver, mas de como a sustentabilidade atua no modelo de gestão de uma empresa, nos processos operacionais, nos processos de negócio, no planejamento estratégico, no produto.

Por exemplo: uma pessoa que resolve abrir uma empresa de entregas que só funciona com bicicletas, é um empreendimento sustentável sem ser um negócio social. Ou um restaurante que só utiliza legumes, verduras e frutas de agricultura familiar. Ou uma empresa que utiliza a economia circular para gerar menos resíduo em sua produção.

Lembrando que não basta uma ação ou um processo específico para o empreendimento ser sustentável. É preciso que a sustentabilidade esteja inserida dentro de uma visão sistêmica e integrada à gestão.

E lembrando, também, que atuando ou não em uma causa, seja um negócio que vai transformar o mundo ou apenas mais um negócio no bairro, o empreendedorismo social e o empreendedorismo sustentável são fundamentais para o bom funcionamento de qualquer sociedade.

0 comentários: